(Esse texto foi uma pregação que fiz há alguns anos atrás. Por que ele está em formato de sermão, ele é maior do que os textos anteriores. Espero que você consiga ler até o fim :-) )

Gustavo Bessa

Introdução

Algumas pessoas são conhecidas enquanto estão vivas. Outras, só são lembradas, depois que já morreram. Esse é o caso de Dietrich Bonhoeffer. Ele foi um dos pastores que lutou contra o regime nazista alemão. A sua briga era contra a escravidão que o nazismo estava impondo às pessoas. A sua luta era contra a manipulação promovida pelo nazismo. Ele não concordava em que a igreja alemã não tomasse uma postura em favor da liberdade. Por isso, ele condenava tanto as igrejas como o governo nazista.

Como cristão, ele queria a liberdade para pregar. E ele queria que outros experimentassem a liberdade. Ele lutava pela liberdade. Apesar de pressionado de tantos lados, por pessoas que o aconselhavam a ficar em silêncio, Bonhoeffer decidiu continuar pregando. Pouco tempo depois, ele foi preso e morto em um campo de concentração.

Infelizmente, a luta de Bonhoeffer não é a luta de muitos outros que se chamam cristãos. Nem todos os que se chamam cristãos lutam pela liberdade. Nem todos os que se chamam cristãos vivem a liberdade. Há muitos que já se acomodaram a alguma situação de não-liberdade. Querem simplesmente continuar vivendo a vida sem muitos percalços ou muitas mudanças. Querem ter o nome de cristãos sem terem que agir como cristãos. Acham que as coisas nunca vão mudar e que é melhor continuar aceitando a não-liberdade.

Entretanto, a não-liberdade jamais é característica do cristão. A Bíblia apresenta o cristão como uma pessoa livre. Apenas os livres é que são cristãos. O retrato do cristão é o de uma pessoa livre: livre das tradições, livre do medo, livre do mundo e livre do pecado. Se você se chama cristão, você precisa ser livre. Em 1Coríntios 9.19-27, o apóstolo Paulo fala sobre isso.

 

1 – Em primeiro lugar, se você se chama cristão, você precisa ser livre;

e

por isso, não ter receio de pregar a todas as pessoas em quaisquer situações ou lugares.

 

Veja o que Paulo diz no v.19: “Porque, embora seja livre de todos”. Essa é a grande afirmação do apóstolo Paulo. Eu sou livre de todos. Na pregação que eu faço, no meu testemunho como cristão, eu sou livre das opiniões; eu sou livre das imposições; eu sou livre das pressões externas.

Essa afirmação de Paulo tinha razão para acontecer. Havia ali, naquela igreja de Corinto, um grupo que tachava as regras de conduta. Eles diziam que ninguém poderia comprar carne no mercado, ninguém poderia participar de festas ou reuniões com incrédulos, ninguém poderia comer com incrédulos. Na verdade, ninguém poderia ter qualquer contato com incrédulos. Esse grupo era muito forte e tinha uma grande influência sobre as pessoas da igreja. Eles estavam querendo controlar a vida e o testemunho das pessoas por meio de suas opiniões e imposições.

 

Atualmente, há muitos cristãos que estão debaixo dessa mesma escravidão.

  1. Há alguns que são escravos das opiniões das outras pessoas. São os crentes políticos. Eles não têm uma convicção pessoal para agir desta ou daquela maneira. Eles fazem ou deixam de fazer as coisas com medo do que as outras pessoas podem dizer. Se ele pensa que a outra pessoa pode brigar com ele se ele agir dessa maneira, então, ele não age dessa maneira. Se ele imagina que o outro pode ficar com raiva se ele falar de um jeito, então, ele não fala. Ele é um cristão político. Parece que está sempre tentando conseguir uns votos diante das pessoas. Ele age de acordo com as opiniões e não de acordo com as convicções. Se as opiniões apontam todas elas em uma direção, ele segue naquela direção. Se as opiniões dizem que todos devem usar o cabelo comprido, ele usa o cabelo comprido e condena a minoria que não usa. Se as opiniões dizem que ele tem que abandonar a coca-cola, então ele segue as opiniões e condena a minoria que não segue.
  2. Há alguns que são escravos das imposições das outras pessoas. São os crentes acomodados. Se o fulano falou que todos devem agir de um jeito, ele simplesmente se acomoda. Ele não quer gastar o tempo pesquisando para saber se aquilo é verdade. Ele não quer ter o trabalho de pesquisar o que a Bíblia fala sobre aquilo. Ele não quer ter o encargo de discutir as opiniões dos outros. Ele quer ficar tranqüilo. Ele não quer ser importunado. Ele não quer arrumar confusão para o seu lado. É muito mais fácil aceitar todas as coisas sem pesquisar, quer sejam verdadeiras ou não. É muito melhor pregar o que todo mundo está pregando. É muito melhor fazer o que todo mundo está fazendo. É muito mais fácil agir como todo mundo está agindo. Segundo o seu pensamento, é muito melhor deixar as coisas acontecerem por si mesmas.
  3. Ainda há outros que são escravos das pressões externas. Se existe alguma pressão externa, ele logo muda de opinião e de atitudes. Se ele está solteiro por muito tempo, e não consegue encontrar um cônjuge dentro da igreja, então, ele, logo, muda o seu discurso. Diante das pressões das pessoas e da sociedade, que fazem chacota da solteirice, ele começa a pregar que não há qualquer problema de se conseguir casamento com um não crente. E diz que o convívio vai santificar o incrédulo. As pressões da sociedade sobre a sua solteirice o fazem mudar o seu discurso. Ele não muda de discurso por convicção. Ele muda por pressão. Se as pressões externas o influenciam a tomar uma certa atitude, ele logo se entrega.

 

A luta de Paulo era contra esse tipo de pensamento dentro da igreja: esse pensamento dominador, controlador, manipulador. Esse pensamento que transforma os homens livres em máquinas; que coloca todas as pessoas numa mesma forma e exige que todas ajam da mesma maneira. Por isso, Paulo olha para si mesmo e chama os outros a terem-no como exemplo. Ele afirma que é livre de todas as pessoas.

Na sua pregação, no seu testemunho de vida, ele é livre de todas as opiniões, imposições e pressões. Ele não é obrigado a abrir mão das convicções que ele tem. Ele não é obrigado a se sujeitar a essa ou aquela idéia por medo, ou receio ou por política. Ele não é obrigado a fazer isso ou aquilo porque um grupo afirma que esse é o certo.

Antes, pelo contrário, porque ele é livre, ele é livre para pregar e para testemunhar Cristo diante de quaisquer pessoas e em quaisquer situações. Porque ele é livre, ele pode fazer tudo o que for necessário para pregar o evangelho, sem se preocupar se o grupo A ou B não vai concordar com as suas atitudes. Na sua pregação do evangelho, no seu testemunho do dia-a-dia, ele não tem que ficar pisando em ovos, imaginando que alguns possam não gostar da atitude que ele está tomando.

Exatamente porque ele é livre, ele pode se tornar escravo de todas as pessoas, sem ter que dever coisa alguma a ninguém. Porque ele é livre, ele pôde dizer:

 

Tornei-me judeu para os judeus, a fim de ganhar os judeus. Para os que estão debaixo da Lei, tornei-me como se estivesse sujeito à Lei (embora eu mesmo não esteja debaixo da Lei), a fim de ganhar os que estão debaixo da Lei. Para os que estão sem lei, tornei-me como sem lei (embora não esteja livre da lei de Deus, e sim sob a lei de Cristo), a fim de ganhar os que não têm a Lei. Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns. Faço tudo isso por causa do evangelho, para ser co-participante dele” (1Co 9.20-23).

 

Porque ele era livre, ele poderia se envolver com os judeus e pregar para os judeus, sem se preocupar se os gentios iriam ficar com raiva dele. Porque ele era livre, ele poderia colocar-se como quem estivesse sujeito à Lei, sem se angustiar se algumas pessoas se virassem contra ele. Porque ele era livre, ele poderia tornar-se fraco para conquistar os fracos, sem se preocupar se outros não fossem se agradar daquela atitude. Porque ele era livre, ele não estava sujeito àquilo que as pessoas poderiam pensar acerca dele. Ele estava sujeito apenas ao evangelho e não aos pensamentos que as pessoas tinham disso ou daquilo.

Da mesma maneira que Paulo, se você se chama cristão, você precisa ser livre. Apenas os cristãos é que têm poder para ser livres. A liberdade é para você, que é crente. Você precisa ser livre para seguir o evangelho; livre para testemunhar Jesus, livre para não se deixar manipular pelas pressões de outras pessoas, que querem controlar a sua vida.

Se, por causa do evangelho, os missionários esvaziaram a festa do deus sol do seu significado anterior e usaram a data para anunciar o nascimento do Sol da Justiça (Lc 1.78), Jesus, e, com isso, eles conseguiram instruir os novos convertidos pagãos acerca do amor de Deus, que bênção! Milhares de pessoas foram alcançadas e transformadas pelo poder do evangelho porque os cristãos se importaram em construir pontes para comunicar a mensagem.

Se, por causa do evangelho, você utiliza a data global em que o Natal é comemorado para anunciar Jesus, anuncie! Enfeite a sua casa, prepare uma árvore, compre presentes e chame a atenção das pessoas para o amor de Deus revelado em Jesus. Aproveite a ocasião para testemunhar a sua vida em Cristo. Participe das reuniões em família, brinque com as pessoas, ria das histórias engraçadas. Deixe a luz do Senhor brilhar através da sua vida. Não se deixe escravizar pelas imposições de outras pessoas.

Como Paulo mesmo afirmou: “Faça tudo por causa do evangelho, para ser co-participante dele” (1Co 9.23).

 

Contudo, o apóstolo Paulo não concluiu a sua proclamação da liberdade nesse ponto. Aquele que se chama cristão não apenas é livre para pregar o evangelho, mas também é livre para não se submeter aos apetites da carne. A questão da liberdade não é apenas um assunto externo. Ela é também um assunto interno. Não adianta ser livre das opiniões das pessoas e das imposições dos homens, e ser escravo dos próprios apetites pecaminosos. Não adianta ser livre das pressões das outras pessoas e ser escravo do próprio pecado.

Ou, parafraseando as palavras de Paulo: “De que adianta participar da corrida, ser conhecido como um grande pregador do evangelho, e, no final, não ganhar o prêmio? Ser reprovado?”.Veja o que Paulo escreve nos vv 24-27:

 

Vocês não sabem que de todos os que correm no estádio, apenas um ganha o prêmio? Corram de tal modo que alcancem o prêmio. Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para obter uma coroa que logo perece; mas nós o fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre. Sendo assim, não corro como quem corre sem alvo, e não luto como quem esmurra o ar. Mas esmurro o meu corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de ter pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado”.

 

Portanto, se você se chama cristão, você precisa ser livre

e

por isso, submeter os apetites pecaminosos à escravidão

 

O perigo apontado por Paulo é o de as pessoas participarem de um grupo e começarem a se deixar influenciar pelos pecados daquele grupo.

Há algum tempo atrás, um grupo de jovens decidiu ir pregar o evangelho no carnaval de Ouro Preto. Até aí, tudo bem. Os cristãos precisam ir até esses lugares para pregar o evangelho. Os cristãos precisam se envolver com essas pessoas para testemunharem Jesus. Contudo, ao invés de influenciarem os carnavalescos, os cristãos começaram a se deixar controlar pelos próprios apetites pecaminosos. O pecado começou a gritar dentro do coração daqueles cristãos. A carne começou a pressionar o desejo daqueles jovens. Ao invés de submeterem os apetites da carne, eles satisfizeram os apetites da carne. E aquele evangelismo foi um fiasco. Vários jovens deixaram de lado o evangelho e caíram na gandaia.

Mas precisamos ressaltar. Aqueles jovens já estavam na corrida. Diferentemente de alguns, que estavam assentados nas arquibancadas, por não quererem pregar o evangelho para os carnavalescos, aqueles jovens estavam participando da corrida. Eles estavam no caminho certo. Eles estavam fazendo a vontade de Deus. Eles estavam vivendo e proclamando a liberdade em Cristo. Contudo, eles se deixaram dominar pelos apetites pecaminosos. Eles não ganharam o prêmio. Eles foram reprovados naquela situação.

Portanto, não basta pregar o evangelho. É necessário também submeter os apetites pecaminosos à escravidão. Não basta ser livre. É necessário manter-se livre. As pressões internas também são tão fortes quanto as pressões externas. As pressões externas anunciam os desejos dos outros. As pressões internas anunciam os desejos da carne. Todas essas pressões querem escravizar os cristãos e apagar o poder do evangelho.

Por isso, os cristãos precisam tomar muito cuidado. Eles não somente devem descer das arquibancadas e participar da corrida, mas eles devem almejar conquistar o prêmio. Para isso, eles precisam submeter os apetites da carne e não deixar que a carne escravize a sua própria vida. Eles precisam continuar livres de escravidão para continuarem participando da corrida.

Contudo, muitas pessoas, hoje, estão escravizadas pelos apetites da carne.

  1. Há muitos que começaram a pregar para os colegas da escola. Começaram a participar das festas com os colegas. Mas foram displicentes. Foram negligentes em não disciplinar os apetites pecaminosos. Eles não submeteram os apetites pecaminosos à escravidão. Eles não fecharam os ouvidos aos clamores do pecado. E acabaram sendo escravizados. Pouco a pouco, ao invés de influenciarem, acabaram sendo influenciados. Ao invés de levarem as pessoas a mudarem o modo de falar, eles mesmos começaram a falar palavrões e a usar linguagem torpe.
  2. Há muitas moças crentes que começaram a se envolver com as amigas incrédulas. Contudo, elas não sufocaram os gritos da carne. Elas simplesmente fecharam os olhos para os próprios apetites pecaminosos. Elas desconsideraram a força da natureza pecaminosa existente em seus corações. Elas foram displicentes. E pouco a pouco se deixaram manipular pelo pecado. E então, ao invés de ajudarem as amigas a se vestirem de modo digno e honroso, elas começaram a se vestir de modo provocante e sensual. Começaram a se vestir como as amigas incrédulas. Satisfizeram o apetite pecaminoso da sensualidade. Deixaram-se escravizar pelo pecado da sensualidade.
  3. Há muita gente que começou a comemorar o Natal e se deixou perder nos apetites consumistas propagados pela mídia. Ao invés de usar a data como uma ponte para anunciar Jesus, o presente de Deus para o mundo, tais pessoas começaram a usar a data para satisfazer a concupiscência dos olhos e da carne, perdendo-se na glutonaria, no consumismo e nas brigas interpessoais.

 

O alerta de Paulo é para que os cristãos não fossem displicentes no tratamento da carne. Para continuar livre, cada cristão precisa fazer como Paulo: “esmurrar o corpo e fazer dele um escravo”. Porque o cristão está em liberdade, ele tem o poder de não se deixar sujeitar aos apetites da carne. Ele pode dizer não ao pecado. Ele pode rejeitar os apelos do pecado.

Porque você é cristão, você é livre para dizer não a uma proposta de promiscuidade. Você é livre para submeter os desejos da sua carne e impedi-los que levem você à prostituição. Você é capaz de negar qualquer proposta indecente.Você é capaz de manter a sua postura de cristão no meio dos promíscuos. Você tem poder para testemunhar diante de todos que o pecado não governa a sua vida.

Porque você é cristão, você é livre para negar uma proposta de suborno. Você pode dizer para as pessoas que o suborno é pecado e desagrada a Deus. Ainda que a sua carne esteja gritando e dizendo que você precisa do dinheiro, porque você é livre, você é capaz de não se sujeitar aos apetites da sua carne. Você é capaz de testemunhar Cristo diante das pessoas, mostrando que não precisa se comportar como elas.

Se você se chama cristão, você precisa ser livre e manter-se na liberdade para a qual Jesus chamou você. Aproveite, portanto, essa data para, na liberdade de Cristo, colocar-se como responsável para anunciar a todos que Jesus nasceu, morreu, ressuscitou, subiu aos céus e voltará!

FacebookTwitterGoogle+