03/11

Alvin Plantinga (Part 2)

Postado dia 03 de novembro de 2016

CONTINUAÇÃO

alvin plantinga

Plantinga’s Theistic Philosophy: The Existence of God is Immediate or Properly Basic.

The new approach of  theistic philosophy establishes that “theistic belief in general and Christian belief in particular can be accepted with perfect rationality even if the believer doesn’t have any good arguments for this belief, and even if there aren’t any such arguments.”[1] According to Plantinga, these arguments are the propositional evidence required by scientific methods. However, Plantinga argues that scientific methods cannot be applied to prove or explain the beliefs in God because these beliefs are immediate or properly basic.

 

Plantinga and the Sensus Divinitatis

Most philosophers agree there are some properly basic beliefs. These beliefs are innate to every human being. Considering such beliefs as a priori knowledge, Plantinga writes

God has therefore created us with cognitive faculties designed to enable us to achieve true beliefs with respect to a wide variety of propositions – propositions about our immediate environment, about our own interior lives, about the thoughts and experiences of other persons, about our universe at large, about right and wrong, about the whole realm of abstracta – numbers, properties, propositions, states of affairs, possible worlds and their like, about modality – what is necessary and possible – and about himself. These faculties work in such a way that under the appropriate circumstances we form the appropriate belief. More exactly, the appropriate belief is formed in us; in the typical case we do not decide to hold or form the belief in question, but simply find ourselves with it.[2]

No one can deny the capacity to make moral choices is innate to every normal and healthy human being. No one can deny the capacity to keep memories is innate to every person who has his faculties working properly. This kind of a priori knowledge is settled on the basis of any other knowledge. It means that every other knowledge is built upon these properly basic beliefs. Although the scientific method cannot be applied to prove or explain these properly basic beliefs, no scientist or philosopher can deny the existence of the a priori knowledge.

Plantinga writes “the sensus divinitatis resembles the faculties of perception, memory, and a priori knowledge”[3] Plantinga follows the idea of John Calvin in saying that the sensus divinitatis is a cognitive mechanism “which in a wide variety of circumstances produces in us beliefs about God. These circumstances trigger the disposition to form the beliefs in question. Under these circumstances we develop or form theistic beliefs.”[4] Whenever a person contemplates the great beauty of nature, this sensus divinitatis provokes in her some kind of beliefs about God. Likewise, this sensus divinitatis triggers some kind of beliefs about God whenever a person faces a dangerous situation. These circumstances and other correlated experiences prove the idea about God is innate to every human being. Since the idea about God is an a priori knowledge, the scientific method cannot be applied to prove or explain it.

 

The Role of the Holy Spirit to Produce Faith in the Human Heart Through the Scriptures

Although the sensus divinitatis is a priori knowledge related to divinity, it does not necessarily point to the God of the Scripture. Alvin Plantinga affirms that sin affected the sensus divinitatis. He writes

Our original knowledge of God and of his marvelous beauty, glory, and loveliness has been severely compromised; in this way the broad image was damaged, distorted. In particular, the sensus divinitatis has been damaged and deformed; because of our fall into sin, we no longer know God in the same natural and unproblematic way in which we know each other and the world around us.[5]

Therefore, it is impossible to know God only through the deliverances of the sensus divinitatis. No one can really know God through the stimulus of nature or rational arguments. Sin affected both the perceptive and cognitive aspects of all human beings. The perceptions and the mind do not function properly in the way for which they were designed. For that reason, the action of the Third Person of Trinity, the Holy Spirit, is essential in producing the right beliefs about both God and faith.

Considering the relation between the sensus divinitatis and the work of the Holy Spirit, Plantinga affirms,

There is an important difference between the sensus divinitatis and the internal instigation of the Holy Spirit. Where the sensus divinitatis is a part of humanity’s original cognitive equipment, the internal instigation of the Holy Spirit, whereby we come to realize the central truths of the gospel, is a special gift given by God that comes with salvation and is part of the process designed to produce faith. Hence, the internal instigation of the Holy Spirit is not a cognitive faculty in the same way that perception, memory, or even the sensus divinitatis are; it is a cognitive process or ‘a means by which belief, and belief on a certain set of topics, is regularly produced in regular ways.[6]

The Holy Spirit uses Scripture – which is God’s testimony – to correct the sensus divinitatis, imparting right beliefs about God to human beings, and also generating faith in their hearts. Thus it is impossible to know God without both the testimony of Scripture and the work of the Holy Spirit.

 

Conclusion

The apologetic works of Alvin Plantinga establish a good philosophical foundation for the warrant of Christian belief. It proves that Christian belief is not irrational, but reasonable and rational. Belief in God is not secondary and built in other propositions, but properly basic and, therefore, immediate. Likewise, one does not ask for evidence to perceptual beliefs, one should not ask for evidence to belief in God. Therefore, requesting evidence to Christian belief is nonsense.

However, the apologetic works of Alvin Plantinga have some difficulties. Plantinga’s works support Christianity, but they also endorse other religion views. James Beilby writes

For example, couldn’t members of other world religions develop a model by which their beliefs could have warrant if they were true, just as Plantinga has? He [Plantinga] acknowledges just as much: “For any such set of beliefs, couldn’t we find a model under which the beliefs in question have warrant, and such that given the truth of those beliefs, there are no philosophical objections to the truth of the model? Well, probably something like that is true for the other theistic religions; Judaism, Islam, some forms of Hinduism, some forms of Buddhism, some forms of American Indian religion. Perhaps these religions are like Christianity in that they are subject to no de jure objections that are independent of de facto objections”.[7]

Although Plantinga’s philosophical works had success in preserving the reasonableness of Christian Belief even without any evidence, Plantinga is still working on explaining Christianity as having the right sets of beliefs. Whenever he presents the primacy of Christianity, he does not use the arguments of philosophy to justify his thoughts, but the doctrines of Christian Theology like the instigation of the Holy Spirit and the testimony of Scripture.

 

 

[1] Alvin Plantinga, “On “Proper Basicality”” Philosophy and Phenomenological Research, November 2007, 614.

[2] Alvin Plantinga, “Justification and Theism,” Faith and Philosophy, 1988, 405-406.

[3] Alvin Plantinga, Knowledge and Christian Belief (Grand Rapids, MI: Eerdmans Publishing, 2015), 35.

[4] Ibid., p. 33.

[5] Alvin Plantinga, Knowledge and Christian Belief (Grand Rapids, MI: Eerdmans Publishing, 2015), 47.

[6] James Beilby, “Plantinga’s Model of Warranted Christian Belief,” ed. Deane-Peter Baker, in Alvin Plantinga (Contemporary Philosophy in Focus) (New York, NY: Cambridge University Press, 2007), 131.

[7] James Beilby, “Plantinga’s Model of Warranted Christian Belief,” ed. Deane-Peter Baker, in Alvin Plantinga (Contemporary Philosophy in Focus) (New York, NY: Cambridge University Press, 2007), 143-144.

FacebookTwitterGoogle+
13/10

Alvin Plantinga (Part 1)

Postado dia 13 de outubro de 2016

 

Unknown

Consegui concluir o meu pequeno trabalho sobre o Alvin Plantinga. Como era um trabalho para uma das minhas classes, ele está todo em inglês. (Desculpe).  De qualquer maneira, espero que contribua de alguma maneira. Essa é a primeira parte do trabalho.

 

Introduction

The Enlightenment was both an intellectual and a cultural phenomenon. At the same time, scholars were defining the principles of knowledge, they were also conferring to Reason supreme authority. Such authority was originally vested in the Christian church but now is entrusted to human Reason. The Eighteenth Century European man was taught to believe in the scientific method as the only means to access the truth. Wolterstorff says writes

The form assumed by the vision of the Enlightenment when it came to matters of religion was what may be called the evidentialist challenge to religious belief. The challenge can be seen as consisting of two contentions. It was insisted, in the first place, that it would be wrong for a person to accept Christianity, or any other form of theism, unless it was rational for him to do so. And it was insisted, secondly, that it is not rational for a person to do so unless he holds his religious convictions on the basis of other beliefs of his which give to those convictions adequate evidential support. No religion is acceptable unless rational, and no religion is rational unless supported by evidence. That is the evidentialist challenge.[1]

 

According to evidentialism, beliefs about God cannot be considered as a priori knowledge, but as secondary knowledge. One has to prove the existence of God, building the argumentation upon other innate and incontrovertible knowledge which is necessarily self-evident or evident to the senses. Alvin Plantinga rejects the claims of evidentialism. In fact, he committed his life and developed his entirely theistic philosophy to criticize the evidentialist challenge to religious belief.

 

Alvin Plantinga’s Philosophical and Theological Context

Alvin Plantinga’s theistic philosophy developed as a result of his personal experiences within a Christian environment. He was born in 1932 and lived in a time when philosophers were challenging belief in God. Since those philosophers argued that the Scientific Method[2] could not attest the existence of God  the existence of God should be considered unreasonable and irrational. Deane-Peter Baker writes, “the dominance of logical empiricism’s verification principle in the middle part of the twentieth century forced philosophy of religion almost entirely out of the philosophy curriculum, and, with a few notable exceptions, few philosophers willingly identified themselves as Christians” [3] In the midst of this hostile environment for Christians, Alvin Plantinga emerged as a Christian philosopher defending the idea “that belief in God need not be based on argument or evidence from other propositions at all”.[4] This theistic philosophy of Alvin Plantinga did not develop by chance, but after several experiences he had within a Christian environment.

Alvin Plantinga was not born in an atheistic environment, but in a Christian family. Deane-Peter Baker points out that “Cornelius Plantinga [Alvin’s father] was an active lay preacher, and there is no question that what Alvin learned of the Christian faith from his parents laid an essential foundation for his future life and work.”[5] Besides the examples of his parents Plantinga also learned Christian theology from  teachings he received in a Reformed church. He was exposed to Calvinist theology when he was still a child. In fact, the issues about human freedom, total depravity, determinism, and predestination had a great influence in the way he developed his theistic Christian philosophy.

 

Alvin Plantinga’s Remarkable Experiences with God

Although Plantinga had a strong Christian background, he was shaken in his Christian beliefs when he went to Harvard in the fall of 1950. For the first time, he was exposed to non-Christian ideas in a very sound, fashioned, and intelligent way. He thought people from Harvard were more brilliant than him and therefore became confused, having many doubts about the Christian faith. Deane-Peter Baker writes,

One of the events that dispelled the doubts Plantinga experienced at Harvard was a moment in which he experienced what he was convinced was the presence of God, something which he describes as a rare but important event in his spiritual walk. The other crucial event is this regard took place during a trip home, when he had the opportunity to attend some classes at Calvin College. Here he encountered something that held an even stronger attraction for him than the stimulating environment at Harvard – William Harry Jellema’s philosophy classes.[6]

 

After taking Jellema’s philosophy classes, Plantinga was so impacted he decided to move from Harvard to Calvin College. His doubts about the Christian faith vanished. He realized it was possible to make a reasonable philosophical defense of Christianity.

 

The Influence of Christian Friends on the Thought of Alvin Plantinga

Alvin Plantinga started his studies at Calvin College, then finished his studies at Yale after spending some years at the University of Michigan where he commenced his graduate studies. After graduation, he was invited to work in the Philosophy Department at Wayne State University in Detroit. He worked there until he moved to Calvin College after receiving an invitation to replace Harry Jellema, who retired.

The time Plantinga lived in Grand Rapids, Michigan, was very important because of the relationships he developed while there. Deane-Peter Baker writes, “among the philosophers and other colleagues whom Plantinga credits with having been of great help to his scholarly growth in his time at Calvin, he singles out Peter de Vos, Del Ratzsch, Kenneth Konyndyk, Thomas Jager (mathematics) and particularly Nicholas Wolterstorff and Paul J. Zwier (mathematics).”[7] Plantinga  not only learned from these colleagues, but he also edited a book with articles written by these friends. “Faith and Rationality”[8] was the first book written to present the claims of the new approach of the theistic philosophy.

 

 

[1] Alvin Plantinga and Nicholas Wolterstorff, Faith and Rationality: Reason and Belief in God (Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1983), 6.

[2] According to the Oxford Dictionaries Online, “Scientific method is a method of procedure that has characterized natural science since the 17th century, consisting in systematic observation, measurement, and experiment, and the formulation, testing, and modification of hypotheses”. “scientific method”, Oxford Dictionaries: British and World English, 2016, retrieved 06 October 2016.

[3] Deane-Peter Baker, ed., “Introduction: Alvin Plantinga, God’s Philosopher,” in Alvin Plantinga (Contemporary Philosophy in Focus) (New York, NY: Cambridge University Press, 2007), 1.

[4] Alvin Plantinga, “Is Belief in God Properly Basic?,” Noûs, 1981, 42.

[5] Deane-Peter Baker, ed., “Introduction: Alvin Plantinga, God’s Philosopher,” in Alvin Plantinga (Contemporary Philosophy in Focus) (New York, NY: Cambridge University Press, 2007), 3.

[6] Ibid., p. 4.

[7] Ibid., p. 7.

[8] Plantinga, Alvin, and Nicholas Wolterstorff. Faith and Rationality: Reason and Belief in God. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1983.

FacebookTwitterGoogle+
17/03

Dia 10…

Postado dia 17 de março de 2016

images

Desculpem-me…

Hoje não tem post…

Sem palavras…

O Brasil chora…

FacebookTwitterGoogle+
16/03

Dia 9 – O Reino de Deus não é comida nem bebida

Postado dia 16 de março de 2016

 

Unknown

Por Gustavo Bessa

 

 

Muitas pessoas não sabem com que se parece o Reino de Deus. As imagens dos filmes hollywoodianos podem enganar a maior parte das pessoas. Aquelas cenas de guerras e conquistas estão longe de se parecer com o Reino de Deus. Na verdade, elas são o oposto de tudo aquilo que o Reino de Deus significa. O Reino de Deus não é definido pelas espadas, lanças e catapultas, mas pela “justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Romanos 14.17).

 

 

Quanto Paulo disse que “o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo”, ele estava tentando resolver um problema de conflito na igreja de Roma. Aqueles cristãos estavam se desentendendo porque discordavam quanto ao tipo de comida que poderiam comer. Eles estavam tão preocupados com a aparência externa da religião que estavam deixando de amar os irmãos. Para eles, os cristãos eram definidos pelo tipo de comida que colocavam na boca. Se a pessoa comia certo tipo de comida, então tal pessoa deveria ser considerada cidadã do Reino de Deus; mas se ela gostava de outro tipo de comida diferente, então ela era considerada não-salva e não deveria ser amada. O importante não era se a pessoa se parecia com Jesus, mas se ela comia aquele tipo de comida específico. E se a comida era diferente, então havia briga, discussão e separação: práticas e comportamentos opostos àqueles que são esperados na vida daqueles que dizem ter o Reino de Deus em seus corações!

 

 

Os sinais do Reino de Deus na vida de uma pessoa são a justiça, a paz e a alegria no Espírito Santo. O Reino de Deus é evidenciado no modo como tratamos uns aos outros e não no modo como nós comemos, bebemos ou nos vestimos. Se ao invés de brigas e contendas, promovemos a paz, nós somos pacificadores e, como tais “somos chamados filhos de Deus” (Mateus 5.9). Aquele que promove a paz no poder do Espírito Santo (e não aquele que se preocupa com os discursos e as aparências externas) mostra que o Reino de Deus está dentro dele.

 

 

1 – Por que muitas pessoas estão tão preocupadas com a aparência externa da religião?

2 – Como você se sente no meio dos semeadores de contendas e fofoqueiros?

3 – Você é uma pessoa que promove a paz?

 

FacebookTwitterGoogle+
15/03

Dia 8 – O Reino de Deus está dentro de vós

Postado dia 15 de março de 2016

 

kingdom-of-god-1-300x224

 

Por Gustavo Bessa

 

Certa vez, Jesus foi interrogado pelos fariseus sobre quando viria o Reino de Deus. Jesus respondeu a eles: “Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Porque o reino de Deus está dentro de vós” (Lucas 17.20-21). Quando oramos ao nosso Pai do Céu, “Venha o Teu Reino”, precisamos compreender que o Reino de Deus vem, primeiramente, para os nossos corações. Antes de se estabelecer do lado de fora, o Reino de Deus precisa se estabelecer dentro de cada um de nós.

 

 

O mundo do lado de fora não é governado, senão pelos homens e mulheres. Não existe um sistema que governa o mundo. O dinheiro, a política e a educação não possuem vontade própria. O dinheiro não pode decidir por si mesmo para onde vai. A política não tem o poder para escolher a quem vai seguir. Mas os homens e as mulheres têm o poder de decisão. Somos nós que decidimos onde vamos aplicar o nosso dinheiro e o que faremos da política e da educação. Os sistemas do mundo não são governados por si mesmos ou por forças impessoais, mas são governados por nós. Por isso não tem sentido dizer que o problema do mundo ou da sociedade é o sistema! O problema do mundo é o ser humano com sua vontade prepotentemente egoísta!

 

 

Por essa razão, o Reino de Deus não vem primeiramente sobre a sociedade como uma grande cidade que desce dos céus, impondo leis sobre os homens na base da força bruta. Não! A sociedade impessoal não se governa a si mesmo! A sociedade é governada pela vontade de cada homem e de cada mulher que exerce o seu poder de decisão, e, por isso, o Reino de Deus vem primeiramente sobre o coração de cada homem e de cada mulher. E o Reino de Deus não vem, utilizando-se da força bruta, mas sim constrangendo cada pessoa através do amor.

 

 

Não é por acaso que Deus manifestou o seu reino no mundo por meio de Jesus, seu filho amado, que não veio à terra como o general de um poderoso exército de anjos guerreiros e poderosos, mas como um frágil Cordeiro. O Reino de Deus irrompeu no mundo através do nascimento, vida, morte e ressurreição de Jesus. Ao invés de trazer, em primeiro lugar, um reino externo, Jesus constrangeu os corações com o imenso amor do Pai do Céu. Antes de ser uma transformação dos sistemas do mundo, o Reino dos céus visa uma transformação dos operadores dos sistemas, a saber, cada um de nós. Um cristão do passado escreveu essas seguintes palavras: “Se você quiser saber onde é a porta do Reino dos céus, você precisa encontrar a porta do seu coração”.

 

 

1 – Por que as pessoas imaginam que o Reino dos céus vem, primeiramente, de maneira visível?

2 – Você já encontrou a porta do seu coração? O Reino dos céus já se estabeleceu na sua vida?

3 – Como o Reino dos céus tem se manifestado na sua vida?

 

FacebookTwitterGoogle+
12/03

Dia 7 – “Não tomarás em vão o nome do Senhor, o teu Deus”.

Postado dia 12 de março de 2016

 

yhwh

Por Gustavo Bessa

 

Os estudiosos da Bíblia demoraram anos para saber como pronunciar o nome de Deus em hebraico. Isso aconteceu por causa de pelo menos duas razões: 1) o hebraico é uma língua de consoantes. As vogais foram introduzidas posteriormente. Assim, as pessoas não sabiam que vogais elas deveriam colocar entre as consoantes. 2) os hebreus tinham muito temor em pronunciar o nome de Deus. Com o passar do tempo, porque quase não se pronunciava o nome de Deus, as pessoas foram se esquecendo de como era o som do nome de Deus.

 

 

Nós podemos achar um absurdo o fato dos hebreus terem quase esquecido como se pronunciava o nome do Deus a quem eles adoravam. Contudo, se lermos o terceiro mandamento, nós entenderemos melhor essa situação. O terceiro mandamento dado por Deus no monte Sinai diz: “Não tomarás em vão o nome do Senhor, o teu Deus, pois o Senhor não deixará impune quem tomar o seu nome em vão” (Êxodo 20.7). Por causa do temor de Deus e da obediência aos mandamentos, os hebreus se educaram para não pronunciar o nome de Deus inutilmente. Eles reconheciam que o nome de Deus era santo e estava acima de qualquer nome; e que, portanto, não poderia jamais ser banalizado.

 

 

Infelizmente, nos dias de hoje, o nome de Deus tem sido banalizado. Muitos pronunciam o nome de Deus e usam o nome de Deus como se Deus fosse o nome de um produto que é vendido em uma feira. O nome de Deus tem sido violentado e abusado de inúmeras maneiras. As pessoas usam o nome de Deus para propagandearem os seus negócios, venderem os seus produtos, iniciarem relacionamentos ou para simplesmente expressarem alguma emoção. O nome de Deus na boca dessas pessoas perdeu completamente o valor e o sentido. Ele foi coisificado, banalizado e desprezado. Tais pessoas ignoram as palavras do terceiro mandamento que diz: “o Senhor não deixará impune quem tomar o seu nome em vão”.

 

 

Na oração do “Pai Nosso”, Jesus resgatou o ensinamento sobre a santidade do nome de Deus. Ao ensinar os discípulos, Jesus disse que os discípulos deveriam orar dizendo: “Santificado seja o teu nome”. Eles deveriam compreender que o nome de Deus é santo, e, como tal, não pode ser mundanizado, banalizado, coisificado ou rebaixado. Deus é o totalmente Outro e completamente diferente de nós. Não podemos trata-lo como tratamos uma coisa ou um ser humano. Não podemos nos achar tão familiarizados com Deus e por isso rebaixar o nome de Deus à nossa categoria. Deus não é como nós. Mesmo que Deus seja o nosso Pai, e por isso, esteja tão próximo de nós, Deus continua sendo Deus e continua requerendo de nós respeito e temor.

 

 

1 – Por que tantas pessoas parecem banalizar o nome de Deus?

2 – O que significa pronunciar o nome de Deus com temor e respeito?

3 – Como você pode se ajudar e ajudar a outras pessoas a santificar o nome de Deus?

 

 

FacebookTwitterGoogle+
11/03

Dia 6 – Uma Família de Muitos Irmãos

Postado dia 11 de março de 2016

2013-05-15 23.42.12

Alunos do CTMDT em uma serenata para a Ana

 

 Por Gustavo Bessa

 

É interessante notar que Jesus não ensinou os discípulos a orar, “Meu Pai, que estás nos céus”, mas, “Pai nosso, que estás nos céus”. Ao fazer assim, Jesus apontou para o tamanho da família de Deus. Ele não é apenas o meu Pai. Ele também é o Pai de muitas outras pessoas. E isso significa que eu não sou o filho único, mas eu tenho muitos outros irmãos e irmãs! O pastor Márcio Valadão, pastor da Igreja Batista da Lagoinha, diz que “não sou eu que digo quem é o meu irmão. Mas é o meu Pai que diz quem é o meu irmão”. Eu não somente não sou o filho único, mas eu também não escolho quem serão os meus irmãos.

 

 

Ao definir e escolher quem são os meus irmãos, o nosso Pai nos liberta dessas cadeias interiores que nos levam a rotular e a discriminar os outros cristãos. Existem outros cristãos que também chamam Deus de Pai. E como existem quase 2 bilhões de cristãos no mundo, eu certamente encontrarei algum que seja bastante diferente de mim. Alguns podem ser diferentes na cor do cabelo, da pele e dos olhos. Outros podem ser diferentes na tradição religiosa e serem batistas, metodistas, presbiterianos, assembleianos, ortodoxos, coptas, católicos, menonitas, anglicanos ou luteranos. Ainda outros podem ser diferentes na teologia e serem calvinistas, arminianos, liberais, confessionais, conservadores ou pentecostais. Ainda que, dentro de mim, eu queira prender com cadeias, rotular e discriminar as pessoas que são diferentes de mim, o nosso Pai que está nos céus nunca nos deu o poder de definir quem é o nosso irmão e a nossa irmã. Os nossos irmãos e irmãs não são definidos e escolhidos pela cor, tradição religiosa ou pela teologia que têm, mas pelo nosso Pai que está nos céus.

 

 

Há alguns anos, eu participei de uma reunião de oração em um dos estádios da Indonésia. (A Indonésia é a nação como a maior população muçulmana do mundo.) A minha esposa havia sido convidada para ministrar naquele ajuntamento de cristãos. Enquanto ela ministrava, alguns líderes cristãos passavam uma tocha, simbolizando o fogo da oração, uns para os outros. Chamou-me a atenção o fato de que havia representantes de todas as igrejas cristãs do país: protestantes, católicos, ortodoxos, tradicionais e pentecostais. Todos eles estavam juntos, clamando por um avivamento na nação. Sim, no meio das lutas que vivem por serem cristãos em um país de maioria islâmica, eles entenderam que o Pai os chamava a todos de filhos e filhas por causa de Cristo neles.

 

 

1 – Como você se relaciona com os cristãos que são diferentes de você?

2 – Por que se criam barreiras nos relacionamentos entre cristãos?

3 – Como a oração pode quebrar barreiras de relacionamento entre os cristãos?

 

FacebookTwitterGoogle+
10/03

Dia 5 – Pai, o nome Cristão para Deus

Postado dia 10 de março de 2016

2013-03-13 10.30.39

 

Por Gustavo Bessa

 

O teólogo J. I. Packer foi quem fez essa afirmação, que me chamou a atenção quando a li pela primeira vez: “Pai é o nome cristão para Deus”. Os judeus chamam Deus de Iavé; os muçulmanos chamam deus de Allah; os hindus chamam os seus deuses de Brahma, Shiva e Vixnu; a maior parte dos budistas não acredita na existência de um ser pessoal, mas em uma força impessoal (é uma coisa parecida com a religião por detrás dos filmes do Star Wars). Diferentemente de todas as religiões, os cristãos não chamam Deus apenas de Deus, mas chamam-no de Pai.

 

 

Jesus nos mostrou que Deus, o Todo-Poderoso e Criador de tudo o que existe, não está distante de nós. Ele está tão perto que Ele sabe de tudo o que nós precisamos. Mais do que isso: Ele não é um ser impessoal, mas uma pessoa amorosa e que se importa com cada um de nós. Podemos e somos ensinados a chama-lo de Pai: “Pai nosso”. Dentre outras coisas, isso significa que podemos confiar totalmente nEle e sempre correr para Ele em busca de direção, provisão e proteção.

 

 

Eu tenho dois filhos pequenos. Na hora das brincadeiras, eles geralmente preferem as crianças da mesma idade. (Eu tenho uma máxima sobre as crianças: o melhor brinquedo para uma criança é outra criança). Os meus filhos gostam de correr, jogar bola, escalar em objetos, enfim, fazer coisas de crianças. Enquanto eles estão brincando, eles parecem não dar a mínima atenção para mim, que sou o pai. Mas se, porventura, algum deles se machuca ou tem sede ou fome, imediatamente, eles correm para os meus braços. Eles sabem que podem correr para o papai em busca de direção, provisão e proteção. Eles têm segurança no pai. Da mesma maneira (e muito mais!!!) podemos ter segurança e confiança no nosso Pai do Céu.

 

 

 

Algumas pessoas podem guardar feridas profundas do seu relacionamento com o pai terreno. Mas elas não devem jamais projetar a figura do pai terreno no “nosso Pai do céu”. Enquanto o pai terreno pode ser cheio de inúmeras feridas na alma e repleto de falhas, o “nosso Pai do céu” é perfeito em seu caráter e jamais falha. Ele é perfeitamente bom, amoroso, justo e fiel. Ele não somente decidiu amar a humanidade incondicionalmente, mas sempre cumpre o que prometeu. Você pode, hoje mesmo, buscar auxílio no “Nosso Pai que está nos céus”. Ele certamente sabe do que você precisa e irá receber você como os braços abertos.

 

 

1 – Como tem sido o seu relacionamento com Deus? Você o vê como um ser distante ou impessoal? Ou como o seu Pai que está nos céus?

2 – Como você pode abençoar o seu pai terreno (se ele estiver vivo) no dia de hoje?

3 – Como você pode abençoar os seus filhos (se você os tiver) no dia de hoje?

 

 

FacebookTwitterGoogle+
09/03

Dia 4 – O Seu Pai sabe do que vocês precisam

Postado dia 09 de março de 2016

2012-09-21 11.41.11

 

 Por Gustavo Bessa

 

Antes de ensinar os discípulos a orarem, Jesus lhes disse: “O seu Pai sabe do que vocês precisam, antes mesmo de o pedirem” (Mateus 6.8). Essas palavras de Jesus vão direto ao ponto, confrontando as ideias erradas que muitas pessoas têm acerca de Deus. Muitos guardam nas lembranças a imagem de um deus que é totalmente distante e alheio às situações do nosso dia-a-dia. Outros tantos supõe que deus é um ser caprichoso, que devemos mimar com palavras e presentes se quisermos que ele faça alguma coisa por nós. Jesus, contudo, mostra que Deus não está distante e nem é um ser mimado, mas é um Pai sempre presente, que se importa conosco e sabe do que precisamos.

 

 

Deus sabe do que precisamos porque Ele nos conhece de perto. Podemos não ter consciência, mas Deus está, em todo o tempo, olhando para nós. Davi tinha a consciência da presença de Deus com ele de uma maneira muito clara. Em um dos salmos, ele escreveu: “Senhor, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me sento e quando me levanto; de longe percebes os meus pensamentos. Sabes muito bem quando trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos são bem conhecidos por ti. Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a conheces inteiramente, Senhor” (Salmo 139.1-4).

 

 

Quer estejamos no secreto do nosso quarto ou na agitação do ambiente de trabalho, Deus sabe o que se passa em nosso coração. Ele também consegue perscrutar e decidir o que precisamos em cada momento de nossas vidas. Deus jamais se engana ou se deixa levar por circunstâncias ou apelos. Todas as pessoas que têm filhos entendem o que estou escrevendo. Porque os pais conhecem os filhos, eles sabem exatamente o que dar a eles. Os pais não dão necessariamente o que os filhos pedem, mas, sim, o que os filhos precisam. Porque conhecem os filhos de perto, os pais sabem do que os filhos necessitam.

 

 

Certa vez, eu estava com a minha família na casa de uns irmãos. Era tarde da noite. Havíamos ensaiado ir embora, mas alguém puxou um louvor e começamos a cantar novamente. De repente, eu percebi que o meu filho mais velho estava em um canto da sala provocando o irmão mais novo. Naquele momento, eu fui até eles e percebi que a provocação não era motivada por outra coisa, senão pelo desejo de receber um abraço. Ao invés de exercer a autoridade e repreender o meu filho mais velho, eu o abracei. Imediatamente, ele se entregou ao meu abraço e começou a chorar e a orar intensamente. Naquele momento, o meu filho não precisava de uma palavra de orientação, mas de um abraço.

 

 

Se nós, com as nossas falhas e limitações, conseguimos saber do que os nossos filhos precisam, quanto mais o nosso Pai do céu! O nosso Pai celestial, porque nos conhece de perto, sabe exatamente do que nós precisamos. Podemos nos entregar completamente ao abraço dEle porque Ele, melhor do que qualquer pessoa, cuida maravilhosamente de nós.

 

1 – Você se lembra de alguma vez em que Deus lhe deu algo que tão somente passou pelo seu coração e você nem sequer pediu audivelmente?

2 – Como você pode cultivar a consciência da presença de Deus na sua vida?

3 – Qual é a sua maior necessidade hoje?

 

FacebookTwitterGoogle+
08/03

Dia 3 – A Oração no Secreto

Postado dia 08 de março de 2016

4cc57e12a68cb8bf053233be8f7499c0

 

Por Gustavo Bessa

 

No Sermão do Monte, Jesus mostrou que a oração é algo que fazemos para Deus e por causa de Deus. Não oramos para justificar, aos olhos das pessoas, o salário que ganhamos ou para atrair a atenção dos outros para nós. Nós também não oramos à uma máquina impessoal que obedece aos nossos comandos quando usamos as palavras e fórmulas pré-estabelecidas. Jesus disse que, “quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está em secreto” (Mateus 6.6).

 

 

Jesus não condenou a oração pública ao se referir à oração no secreto. Em diversos outros textos, lemos sobre a importância da oração pública (Escrevendo a Timóteo, por exemplo, Paulo disse: “Quero que os homens orem em todo lugar, levantando mãos santas” (1Timóteo 2.8)). Jesus se referiu à oração em secreto para se contrapor às motivações das orações públicas dos profissionais da religião. Enquanto as orações dos hipócritas visam a admiração dos homens, as orações corretas visão o diálogo e o relacionamento com Deus. E como Deus está em todos os lugares, Ele ouvirá a nossa oração mesmo quando estamos sozinhos em nosso quarto.

 

 

A oração no secreto tem a capacidade de nos ensinar que Deus é a pessoa para quem oramos. A oração não é algo que fazemos para impressionar as pessoas à nossa volta ou para satisfazer os nossos interesses egoístas. Oração é algo que fazemos em direção a Deus. Orar é conversar com Deus e nutrir um relacionamento íntimo e profundo com Ele. É a Deus que dirigimos as nossas palavras e os nossos suspiros.

 

 

A oração no secreto também tem a capacidade de corrigir as motivações do nosso coração. Quando estamos no secreto, forçamos o nosso coração a entender que as nossas orações não são feitas para garantir o pagamento de um salário no final do mês ou o aumento do número de admiradores. Enquanto estamos no lugar secreto, nenhuma pessoa está nos vendo ou ouvindo, senão somente Deus. Além disso, no lugar secreto, descobrimos que as nossas palavras e comandos não funcionam. Percebemos que Deus não é uma máquina, mas uma pessoa que se dispõe a vir ter um relacionamento de amizade e de intimidade conosco. Jesus disse que somos recompensados quando oramos com a motivação de viver um relacionamento com Deus. Essa é a oração correta e que alcança Deus.

 

1 – O Sermão do Monte é uma mensagem para que cada pessoa, individualmente, se auto-examine, e, não para que cada pessoa examine o comportamento dos outros.

  1. Como você se vê diante dessa palavra de Jesus?
  2. Como são os seus tempos de oração no secreto?
  3. Você tem notado um aumento de intimidade no seu relacionamento com Deus?
  4. Que recompensas você já recebeu de Deus como resposta ao seu relacionamento no secreto com Ele?

 

FacebookTwitterGoogle+
Posts anteriores